2 min read

um tipo morre por ser negro
um joelho na traqueia
a imagem vem ter contigo
ali está
obscenamente exposta
como se a tortura em público
fosse entretenimento
e tivesse efeitos didácticos
na cabeça de fanáticos filhos da puta
e da lei e ordem dominantes
do Muro

dizem os jornais
que por uma nota de 20 dólares falsa
quando se sabe que tudo
no dinheiro é ficção
e que ninguém é
seu fabricante legítimo
a convenção
virou Deus
para quem fez do saque
a propriedade original
e estabeleceu
a estrutura desigual
como democracia propalada
 
qualquer idólatra
puxa da nota
vale um revólver
uma bala
uma suíte de luxo
e também vale
uma viagem de metro
um meio copo de rum
para temperar desesperos

não existes
o dólar
é o teu rosto possível
a cada momento
uns trocos
umas moedas no fundo do bolso
um blues ao toque do polegar acentuando
ritmos na caixa de madeira gasta
a corda semi-comida a desafinar
com alma
a tua miséria
igual ao teu acesso à vida
igual à tua sobrevivência

a miséria é ilegal
isso é constitucional
tens de te esconder por hábito
vestes coisas sem cor desbotadas
sapatos cambados
és cambada
vestes o hábito da invisibilidade
na esquina na cidade
andas nas sombras
saltas entre o lixo espalhado
confundem-te com a noite
vai ali uma sombra de uma sombra
de uma sombra
numa paisagem nocturna

muitos dólares são poder
um tipo morre assassinado por fingir
que uma nota imitada é verdadeira?
onde está
a porra da nota falsa?
mostrem-na
morre-se disso?
vem um polícia dos costumes
uma besta fera
a salivar ódio orgânico
e corta-te a respiração
antes de seres culpado
já o eras
que porra de mundo é este?
este
2020 de tanta civilização acumulada?

isso
dos 20 dólares
dizem os gajos
que dizem o que se passa
que é assim
que a coisa se deu
os gajos que dizem isso
são os donos
do espaço de dizer
e do que se deve dizer
no espaço do que é dito
resta a rua para escrever
outra coisa
que a verdade que querem impor
está confinada
à mentira confirmada
nos grandes aparelhos
da mentira animada

o dinheiro é tudo
é por isso que ser pobre
é equivaler a nada
nada valer em lingotes
não equivaler a nada
como uma pedra preciosa equivale
ou o parmigiano de Parma
ou o petróleo
— ai o ouro negro
esse combustível que tudo mata —
e portanto nada ser

que te resta mais que oferecer
a força de trabalho
e no caso de nem isso
nada ser
tentar sobreviver
 
a vida de um gajo
vale o quê?
a vida de um negro nos EUA
vale o quê?
20 dólares
se fossem verdadeiros
ninguém morreria asfixiado?

mas que sociedade é esta
que faz de assassinos
homens de
fazer cumprir as leis
nas ruas de todos?
 
oito longos minutos
durou o tempo
de ficar sem ar
de morrer
por não poder respirar
com um joelho polícia
na traqueia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *